segunda-feira, julho 25, 2005

Nada...

Não sou nada. Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.
Álvaro de Campos
Hoje tou numa de Fernando Pessoa (no caso heterónimo...)!
Não sou totalmente de acordo com o poema mas acho-o ao mesmo tempo lindíssimo!