quinta-feira, outubro 06, 2005

Coisas simples

Esta pequena história fez-me pensar na importância das coisas mais simples da vida e que nem sempre são devidamente valorizadas...

Um fósforo, uma bala de menta, uma xícara de café e um jornal....


Um homem estava dirigindo há horas e, cansado da estrada, resolveu procurar um hotel ou uma pousada para descansar. Em poucos minutos, avistou um letreiro luminoso com o nome:

Hotel Venetia.

Quando chegou à recepção, o hall do hotel estava iluminado com luz suave. Atrás do balcão, uma moça de rosto alegre o saudou amavelmente:
"- Bem-vindo ao Venetia!"
Três minutos após essa saudação, o hóspede já se encontrava confortavelmente instalado no seu quarto e impressionado com os procedimentos: tudo muito rápido e prático.
No quarto, uma discreta opulência; uma cama, impecavelmente limpa, uma lareira, um fósforo apropriado em posição perfeitamente alinhada sobre a lareira, para ser riscado. Era demais! Aquele homem que queria um quarto apenas para passar a noite começou a pensar que estava com sorte.
Mudou de roupa para o jantar (a moça da recepção fizera o pedido no momento do registro). A refeição foi tão deliciosa, como tudo o que tinha experimentado, naquele local, até então. Assinou a conta e retornou para o quarto.
Fazia frio e ele estava ansioso pelo fogo da lareira. Qual não foi a sua surpresa! Alguém havia se antecipado a ele, pois havia um lindo fogo crepitante na lareira. A cama estava preparada, os travesseiros arrumados e uma bala de menta sobre cada um. Que noite agradável aquela!
Na manhã seguinte, o hóspede acordou com um estranho borbulhar, vindo do banheiro. Saiu da cama para investigar. Simplesmente uma cafeteira ligada por um timer automático, estava preparando o seu café e, junto um cartão que dizia:
"Sua marca predileta de café. Bom apetite!"
Era mesmo! Como eles podiam saber desse detalhe? De repente, lembrou-se: no jantar perguntaram qual a sua marca preferida de café. Em seguida, ele ouve um leve toque na porta. Ao abrir, havia um jornal.
"Mas, como pode?! É o meu jornal! Como eles adivinharam?"
Mais uma vez, lembrou-se de quando se registrou: a recepcionista havia perguntado qual jornal ele preferia.
O cliente deixou o hotel encantando. Feliz pela sorte de ter ficado num lugar tão acolhedor.
Mas, o que esse hotel fizera mesmo de especial? Apenas ofereceram um fósforo, uma bala de menta, uma xícara de café e um jornal.

Nunca se falou tanto na relação empresa-cliente como nos dias de hoje. Milhões são gastos em planos mirabolantes de marketing e, no entanto, o cliente está cada vez mais insatisfeito, mais desconfiado. Mudamos o layout das lojas, pintamos as prateleiras, trocamos as embalagens, mas esquecemos-nos das pessoas. O valor das pequenas coisas conta, e muito. A valorização do relacionamento com o cliente. Fazer com que ele perceba que é um parceiro importante!
Isto vale também para nossas relações pessoais (namoro, amizade, família, casamento) enfim pensar no outro como ser humano é sempre uma satisfação para quem doa e para quem recebe.
"Seremos muito mais felizes, pois a verdadeira felicidade está nos gestos mais simples de nosso dia-a-dia e na maioria das vezes passam despercebidos".

8 comentários:

Anónimo disse...

Terrific blog keep up the good work I will be back

I have a miniature golfsite. It pretty much covers golf related stuff.

I would love to see you there if you get time :-)

pisconight disse...

Gostei da história e concordo com a tua afirmação sobre a importância das coisas mais simples da vida, que nem sempre são devidamente valorizadas...

Luna disse...

os pequenos nadas da vida são o que melhor se leva ...
Também gostei e obrigada pela tua visita

Ana, dona do café disse...

verdade verdadinha...!
No meu curso, que está relacionado com publicidade, marketing e relações públicas, é sempre importante lembrar que estamos a lidar com um meio social que procura, identifica-se com, procura informar-se, questiona-se mas, fundamentalmente é detentor da sua própria visão das coisas, é no seu "mundo" que reconhece os elementos que o rodeiam...
E as pequenas coisas são as que mais cativam porque as temos como tão pessoais e tão "nossas" que nos pode acontecer como o senhor que encontrou no hotel venetia o que nunca tinha encontrado noutro hotel, uma familiariedade (soa-me estranho, sou disléxica, mas acho que é isto que quero escrever :P), uma identificação pessoal...e claro, ficou satisfeito.
Gostei do post ;)!
beijo
(e já agora,obrigada pela visita ao meu café; e parabéns pelo blog, é a primeira vez que cá venho e gostei bastante...parece-me que vou começar a dar cá um saltinho de quando em quando! *)

Amon disse...

Gostei da história, mas como profissional de marketing só posso comentar como está desactualizada. Se há uns 20 ou 30 anos fazia todo o sentido, nos dias que correm, nem por isso. O Marketing cada vez mais, caminha para uma relação pessoal, de pessoa para pessoa em vez de fornecedor para cliente. Daí o termo de Marketing relacional. Mas concordo perfeitamente que são as pequenas coisas da vida que realmente mudam o nosso estado de espírito todos os dias. Boa história! ;)

Anónimo disse...

gostei bastante desta história. gostaria saber se te podia mandar um mail. se sim para onde? osabordaslagrimas@hotmail.com

Roberta disse...

Adorei! :-) o texto por sí só já parece tão acolhedor que é fácil imaginar as cenas! Tudo de bom!

be disse...

華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,